13.5.10
km 1000.

Temos medo do tempo vazio como se tivéssemos medo de nós próprios, como se a inactividade não mais revelasse que, afinal, todo o aborrecimento fosse inerente ao nosso ser parado. Deveremos acreditar que somos naturalmente enfadonhos e que só o preenchimento do tempo, a actividade e, consequentemente, o sentido social de progresso, poderão contrariar a suposta constatação de que a inactividade e o vazio que levam ao excesso de tempo, são nefastos, logo e em primeiro lugar, para a nossa saúde. Que outros motivos teria eu para escrever este texto? Que outro motivo teria Eduardo Brito para fazer fotografia ou o Sandy para escrever música? E paradoxalmente Terras Últimas é o lugar onde a ilusão de um tempo vazio, perdido, ainda faz sentido.

Pedro Bandeira em O Tempo Vazio das Terras Últimas.


Terras Últimas. Fotografias de Eduardo Brito e música de Sandy Kilpatrick.
22 de Maio de 2010, 22h00, Centro Cultural de Vila Flor, Guimarães.
Para ver até 20 de Junho.
 
posted by Eduardo Brito at 8:51 da manhã | Permalink |


1 Comments:


At 7:23 da tarde, Anonymous Anónimo

lindo (:
assisti á sua palestra na esma, no faial, gostei imensoo..