25.11.09
26 de novembro, 17:30, braga.

"Debussy e Ravel, em 1889, na Exposição Universal de Paris, ficam fascinados com a música do Vietname e da Indonésia. Compositores como Lizst e Bartók inspiram-se no folclore das suas terras. Na música rock e pop dos anos 60, a filosofia e a música indianas fazem carreira entre alguns músicos como os Beatles, e Ravi Shankar é uma das vedetas do festival de Woodstock. Brian Jones, elemento dos Rolling Stones, vai a Marrocos e grava os Masters Musicians of Jajouka. Na área do jazz, há músicos que usam instrumentos tradicionais de países de África e da Ásia e tocam música inspirada pela música dessas zonas, como é o caso de Don Cherry. E os exemplos poderiam somar-se…"


José Eduardo Braga, in Músicas do Mundo, Ed. Imprensa da Universidade de Coimbra, p. 8.

Músicas do Mundo é apresentado e lançado às 5.30 da tarde do dia 26 de Novembro de 2009 no foyer do Teatro Académico de Gil Vicente, em Coimbra.
 
posted by Eduardo Brito at 10:33 da manhã | Permalink | 1 comments
24.11.09
26 de novembro, 10:00, elkins.


"A tear, like a blob of mercury, can't be pinned down. So why should I try to understand people who cry in front of paintings? (...) For a simple reason: tears are the best visible evidence that a person has been deeply modved. (...) I want to know what happens when a painting suddenly means much more than the dry information on the museum label, or the intellectual symbols and stories in books od art history, when a painting is not a game, when it no longer matters who knows more about the painter, then painting can be an art that might actually deserve the high value we put on it."

James Elkins, in Pictures & Tears, Routledge Ed, p. 38.

James Elkins vai conferênciar na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa às 10 da manhã de 26 de Novembro de 2009.
 
posted by Eduardo Brito at 9:55 da tarde | Permalink | 0 comments
23.11.09
colophon.

O segundo número da colecção de minimis é lançado no próximo dia três de dezembro, pelas dezoito horas, na Sociedade Martins Sarmento em Guimarães.
Sherlock Holmes no Porto, da autoria de Donan Coyle (João de Meira), com capa sobre pormenor de fotografia de Eduardo Brito, foi composto em caracteres Capsa e paginado por Luís Ricardo, tendo sido impresso em Munken Print Cream, um papel produzido de acordo com normas respeitadoras do meio ambiente, na Gráfica Covense, Guimarães, em Dezembro de 2009, com uma tiragem de 300 exemplares, numerados e com selo branco da Sociedade Martins Sarmento, dos quais 250 foram postos à venda.
 
posted by Eduardo Brito at 9:12 da manhã | Permalink | 1 comments
12.11.09
homens do mal: count von krolock.




Count von Krolock:
As brooks flow into streams, streams into rivers...and rivers into the sea... so our adepts flow back to us and swell our ranks.
Soon we shall be victorious and triumphant! We shall then hold sway over this Earth which awaits our coming as autumn awaits winter.

Texto: The Fearless Vampire Killers (originalmente The Dance of the Vampires); guião de Gérard Brach e Roman Polanski.
Imagens: Count Von Krolock, pelo actor Ferdy Mayne, em The Fearless Vampire Killers, 1967, de Roman Polanski.
 
posted by Eduardo Brito at 11:12 da tarde | Permalink | 1 comments
10.11.09
"berlim, berlim, morreu a nove".

Berlin Est vue de l'Ouest, Stéphane Duroy
[da Europa dos Encontros de Fotografia, Coimbra, 1997].

Muro pessoal: um confuso e colorido directo visto num pesado televisor Blaupunkt. Perguntas respondidas com espera, deixa ouvir. Um concerto estranho do Roger Waters, anos depois. Achtung Baby, U2 fotografados por Anton Corbijn, Mão Morta o muro está a cair, o muro está a cair, que faço eu aqui com as mãos manchadas de sangue? Stéphane Duroy na inesquecível Europa dos Encontros de Fotografia de Coimbra, em 1997. Adeus, Lenine, claro. O golo de Jürgen Sparwasser no mundial de 74, reconhecido tempos depois. Objectos e mais objectos. Astérix e o Grande Fosso. As Vidas dos Outros. A trilogia de Berlim, de Bowie, Berlin de Lou Reed. Wenders, de forma certa. As imagens frias, sempre muito frias, quase sempre outono, inverno. O El País Semanal de 18 de Outubro, ímpar exercício de rememoração de uma cidade: Fue otra noche, la del 9 al 10 de noviembre de 1989, cuando culminó y terminó la sincronización trágica entre la historia de Berlín y la del mundo. Alguém me diz: há ainda muitos muros por cair. Prova provada do falhanço da humanidade enquanto projecto comum. 

* título: abertura de Berlim, poema de Adolfo Luxúria Canibal musicado pelos Mão Morta, integrado no disco Mutantes S.21, editado em 1992.
 
posted by Eduardo Brito at 7:50 da tarde | Permalink | 0 comments
2.11.09
um convite a ver.
(clicar para ampliar)

Dois anos depois do primeiro volume, os Cadernos de Imagens voltam a ser editados. Se, em 2007, os Vimaranenses foram ponto de partida e de chegada de textos e imagens, este ano a temática centra-se no trabalho na cidade. Vimaranenses: As Mãos e as Máquinas é o título desta segunda edição dos Cadernos de Imagens.
(...)
Imagens e textos constroem um corpo de narrativas e depoimentos à volta do trabalho, do trabalho em qualquer lugar do mundo, do trabalho na cidade de Guimarães. Estes Cadernos de Imagens, assumidamente centrados em Guimarães, continuam o trabalho de mostrar uma cidade, de fixá-la em imagens e palavras, proporcionando o seu retrato e a sua reflexão naquilo que tem de diferente de todas as outras, naquilo que a une a todas as outras.
(...)
Os Cadernos de Imagens II – Vimaranenses: As Mãos e As Máquinas são lançados e expostos no próximo dia 6 de Novembro, pelas 21.30, no Museu de Alberto Sampaio, em Guimarães. A exposição fica patente ao público até 5 de Dezembro.
 
posted by Eduardo Brito at 8:32 da manhã | Permalink | 2 comments