12.9.07
sobre o barão de ausenthal (2): a gravura.

Wreck Off The Cornish Coast,
publicado por Raphael Tuck & Sons, Ltd.


No final dos seus dias, o Barão de Ausenthal passava longas horas de pé, de corpo hirto e mãos cerradas nas costas, como se com tal pose, que sofridamente aguentava, pudesse enganar o tempo tanto que por si houvera passado. Detinha-se demoradamente a mirar uma gravura de vinte por dez centímetros, emoldurada na sua parede grená, como se nada mais houvesse naquela sala pejada de memórias de uma vida inteira. Quando alguém dele se acercava, quase sempre dizia com a sua voz grave e trémula:
- Esta imagem há-de um dia inspirar alguém. Seja por isso que aqui há-de quedar.
E olhava. Olhava perdidamente aquela gravura que comprara no seu regresso à Cornualha: afinal, aquele tinha sido o seu naufrágio quarenta anos antes. (...)
Após a morte do Barão, a imagem foi vendida a José Joaquim de Lemos, que a expôs na sua livraria à Porta da Vila.

Xavier Quaresma: A Desventurada Vida do Preclaro Barão de Ausenthal, 1901, ed. do Autor, página 247.

- Sobre o Barão de Ausenthal (1): A Memória Olfactiva
 
posted by Eduardo Brito at 5:29 da tarde | Permalink |


0 Comments: