28.2.07
o retrato de marcel-yves charnier.
O problema de toda a minha existência é que quando estou a fazer alguma coisa que quero efectivamente fazer, estou sempre a pensar noutras coisas que quero fazer e que poderia estar a fazer no momento em que até estou a fazer uma coisa que quero mesmo fazer, não parando de pensar também em como seria estar a fazer tais coisas que quero fazer no momento e em vez da coisa que estou a fazer, que, relembre-se, também é algo que quero fazer.

Marcel-Yves Charnier, Mon Portrait d'Auteur, s/d, ed. do autor.

Etiquetas:

 
posted by Eduardo Brito at 7:34 da tarde | Permalink | 1 comments
27.2.07
posto de escuta: joyce hatto.

Dizia-me F.O. que ultimamente andava siderado com a pianista Joyce Hatto. Sobretudo com a sua magistral interpretação do Concerto para Piano em Lá menor de Robert Schumann (acompanhada pela National Philarmonic-Symphony Orchestra, regida por René Köhler) e com o primeiro volume "Estudos" das obras completas para piano de Fryderyk Chopin. Dizia-me também F.O. que Joyce Hatto era do melhor que já tinha ouvido. E F. O. já tinha ouvido muito. Melómano erudito e pianista desinteressado - porém meticuloso - F.O. sabia bem do que estava a falar quando dizia, em jeito de conclusão, isto é tão bom que até parece mentira. E eu, claro, ouvia e acreditava, encantado; ouvia e voltava a acreditar.
 
posted by Eduardo Brito at 8:19 da tarde | Permalink | 0 comments
24.2.07
imagem-emoção.
 
posted by Eduardo Brito at 2:10 da tarde | Permalink | 0 comments
23.2.07
o navio casa e a jangada de gelo: polaris actualizado.
O Polaris conta a história da misteriosa expedição de Charles Francis Hall ao Pólo Norte em 1871 e revela que o seu nome não se inspira apenas na Estrela do Norte. O texto está aqui. Boa viagem.


O que é o projecto Polaris - Histórias do Círculo do Urso? Brevíssima descrição aqui.
 
posted by Eduardo Brito at 12:53 da manhã | Permalink | 0 comments
17.2.07
a cidade num instante (1) - guimarães.
A Cidade Num Instante: série aberta, sem fim à vista, de memórias fotográficas de cidades por onde vou passando. A primeira é Guimarães. A cidade onde nasci e onde vivo. Fotografias para ir acompanhando aqui, de tempos a tempos.
 
posted by Eduardo Brito at 3:53 da tarde | Permalink | 2 comments
15.2.07
polaris.
O Polaris nasce hoje. Pode ser lido, irregularmente, aqui. É o primeiro projecto fruto desta Divina Desordem. Nasce para ser um trabalho continuado sobre o Norte, sobre o frio, sobre o silêncio e sobre outra forma de estar no tempo. Com as imprecisões do costume, é claro. Bem-vindos.
 
posted by Eduardo Brito at 7:06 da tarde | Permalink | 0 comments
13.2.07
da importância da memória 1.
"No meu caso, pediram-me que recordasse a imagem mais forte que tinha visto. Falei de Man chewing piece of snake which he has just bitten off, state fair sideshow, Donaldsonville, Louisiana, da autoria de Russell Lee, que tinha visto numa exposição em Washington, no início de 2006. Falei da brutalidade da acção, da violência e do movimento e de como esses três factores nos transmitem, cada um pelo seu modo, força. De Russell Lee passei para as imagens que fizeram parte da instalação Committere de Russell Mills, que vi em Glasgow, durante um fim de semana de Outono e que me remeteram para o trabalho fotográfico de Russell Lee Mills, que observei em Paris, numa galeria perto da Place des Vosges.
Sofia N., que ia seguindo atentamente o que estava a dizer, chamou-me a atenção para o facto de ter mencionado um Russell Lee, outro Russell Mills e agora estar a falar de um Russell Lee Mills. Perguntou-me se estaria a fundi-los ou a confundi-los e eu fiquei sem lhe responder, uma vez que perguntas mais interessantes se levantaram."

Etiquetas:

 
posted by Eduardo Brito at 5:53 da tarde | Permalink | 1 comments
6.2.07
descobertos - the balliols.
The Balliols. Fotografia de Ingrid Pradel.


Depois do lançamento do álbum de estreia, os The Balliols voltaram a colocar músicas no seu myspace. O cinismo parece ser o mote da banda. Brincadeiras de gosto dúvidoso com pseudo-versões de 4'33'' de John Cage e um rascunho de canção chamado Jante Law. Pelos vistos, tudo faz parte de um EP chamado Cinc Song Single que, ao contrário do disco, passa seguramente ao lado de toda e qualquer história. São tão bons, não eram?
 
posted by Eduardo Brito at 10:19 da tarde | Permalink | 0 comments